segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

E as borboletas no estômago?


Quando tudo começou, achei que não passaria de uma brincadeira, afinal, nunca que eu iria conhecer alguém pelo whatsapp e sendo por meio de outra pessoa que é a mãe. Mas eu arrisquei e, afinal, que mal faria passar meu telefone?
Mas no mesmo dia, isso mesmo, ele me mandou uma mensagem e começamos a conversar. Ele era, é na verdade, bem diferente de todos que já conheci. Só o vi por foto, fato, mas o jeito como ele escreve e fala, conversa, a sua voz... Seus elogios — nunca fiquei tão vermelha em conversar com alguém por whatsapp — me deixando desconcertada.
O único problema é que eu ainda estava fechada para tantos elogios, tantos carinhos e tanta ansiedade em tão pouco tempo. Na real, nunca imaginei que alguém pudesse se interessar por mim e que eu era a única pessoa que realmente me achava bonita. E ele chegou para acabar com tudo isso que eu tinha dentro da minha cabeça.
Ele me fez sorrir na frente do celular, já querendo que estar ao seu lado. Surreal? Para mim, totalmente.
E então veio o pedido para sairmos. Pude escolher tudo, até mesmo o filme e sairíamos mais de uma vez no fim de semana, se não fosse um compromisso inadiável.
Só que eu ainda tinha minha parte racional pensando, e com medo de ser magoada mais uma vez, sofrer mais uma vez e me iludir mais uma vez, até porque já dizia minha avó “quando a esmola é grande, o santo desconfia”. Eu não queria me entregar, me envolver de cabeça... Queria brecar antes de bater de cara no muro. Mas ele tirou o meu medo e aos poucos me conquistou.
Três dias bastaram para o sorriso bobo surgir em meus lábios. Três dias para o céu parecer mais bonito e o dia mais claro. Pode parecer loucura da minha parte, mas estou totalmente, completamente, e talvez até perdidamente apaixonada. Mas há uma diferença entre apaixonada e amando. Estou apaixonada, na ansiedade de poder ver, sentir o perfume dele e suas mãos.
Talvez não dê nada certo, mas pode ser que tudo dê certo. Não posso afirmar que é a pessoa certa pra mim, assim como não posso dizer que não significa nada porque significa tudo. Ele me fez perceber que eu posso sim me apaixonar novamente e ser madura para aguentar o que vier.

As borboletas do estômago podem até permanecer, mas elas não me incomodam mais. E foram necessários três dias para que eu voltasse a acreditar nos livros de romance que tanto ouvi falar e naqueles romances que parecem tão improváveis. Por que não arriscar?